[ Valor ] Desoneração não compensa aumento na carga tributária, diz Confederação Nacional de Saúde

A CNSaúde foi destaque em matéria publicada no Valor no dia 02 de setembro

Por Comunicação CNSaúde , publicado em 02/09/2020

A CNSaúde foi destaque em matéria publicada no Valor no dia 02 de setembro. O presidente da entidade, Breno Monteiro, falou sobre a desoneração da folha de pagamento, como compensação por um possível aumento na carga tributária. Confira.

Desoneração não compensa aumento na carga tributária, diz Confederação Nacional de Saúde: Como “solução” para o problema, o setor pede uma alíquota diferenciada para a saúde e educação

O presidente da Confederação Nacional de Saúde (CNSaúde), Breno Monteiro, disse nesta quarta-feira que a desoneração da folha de pagamento, como compensação por um possível aumento na carga tributária, não funcionará para o setor. A defesa foi feita durante audiência pública da Comissão Mista da Reforma Tributária, nesta quarta-feira.

“Essa desoneração de folha não funcionará para o setor de saúde. Nem que haja desoneração total da folha associada à completa isenção de impostos sobre a renda, como Imposto de Renda e Contribuição Social, haveria uma compensação do impacto da alíquota única de 26,9% para o nosso setor”, disse.

A argumentação do presidente da CNSaúde leva em conta as análises de que a reforma em tramitação pode elevar a carga tributária para alguns segmentos da economia. “Para 17% de aumento, que é o impacto já mostrado anteriormente pela PEC, a compensação dos impostos sobre a renda seria de 3,1% e a desoneração tributária completa da folha significaria 6,5%. Aí ainda haveria um saldo, com tudo isso, com a desoneração completa da folha, desoneração dos impostos sobre a renda, ainda sobraria um saldo de 7,4% não compensados, segundo estudos da confederação”, disse.

Como “solução” para o problema, o setor pede uma alíquota diferenciada para a saúde e educação.

No relatório da PEC 110 já é previsto que a cadeia produtiva de saúde e também a de educação possa manter uma alíquota diferenciada. Com isso, a gente mantenha uma carga tributária inalterada, sem onerar, principalmente, o consumidor da saúde. Entendemos que a saúde não pode e não deve pagar essa conta para beneficiar outros setores da economia que pretendem redução de carga tributária neste momento”, complementou Monteiro.

O comentário levou a uma ponderação do relator da reforma tributária no Congresso, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), que também participou da reunião. “Quero tirar aqui uma questão porque sempre se diz: ‘Tal setor vai pagar; tal setor vai pagar…’. Quem paga o imposto em sua essência é o cidadão. É ele que paga”, argumentou.


Valor – 02/09 – Desoneração não compensa aumento na carga tributária, diz Confederação Nacional de Saúde


 

Parceiros